Só é a história de uma mulher que por anos prepara o seu ultimo encontro com o publico. Ela divide a sua história para entender sua existência e o sentido de toda uma vida dedicada a arte da dança e da representação e é nesse ultimo encontro que alguém vai tomar seu lugar para continuar a sua história ou inventar uma outra.
O trabalho é uma reflexão sobre palavras e movimento. A partir da questão do desaparecimento e da continuidade surge uma brecha possível entre o espectador e a interprete. O interesse na relação das palavras junto com o movimento e a presença que vai desaparecer é conduzida por uma narrativa em que as fronteiras do teatro precisam ser borradas para que essa história se transforme em outra.
O monólogo/ solo – dirigido, escrito e interpretado por Denise Stutz conta com a colaboração da diretora Inêz Viana . Esse encontro levanta a discussão sobre o corpo e a palavra na atuação do ator e na performance da dança